A ARTE DA SINCERIDADE

 

 

Ser sincero, muitas vezes, é considerado uma virtude, uma qualidade, algumas pessoas consideram como um dom... Eu tenho refletido sobre esta questão e, proponho que podemos pensar que a sinceridade é uma arte. Toda arte, seja ela qual for, requer paciência, cuidado, delicadeza e um desejo muito forte de “fazer bem feito”, respeitando sempre os limites do ser do artista. Assim, é ser sincero. Para exercitarmos a sinceridade, precisamos nos tornar um artista verdadeiro, aquele que possui um enorme respeito pela sua arte, que não permite que fatores externos a si o façam abandonar o projeto de seu trabalho. Aquele que é sincero, não espera no outro a sinceridade para agir como tal. Este artista respeita os valores da sua arte, independente do valor que outras pessoas atribuem. Ele tem a delicadeza e o cuidado em comunicar seus pensamentos e sentimentos, buscando a expressão daquilo que lhe toma o seu interior, sem a intenção de magoar seus pares, nem mesmo fazer da sua expressão uma verdade absoluta. Este artista apresenta-se de uma forma muito paciente, não se cansa de se posicionar sempre da mesma maneira nas diversas situações, mantém o rigor de ser fiel em relação àquilo que acredita. Reconhece e aceita suas limitações, nem sempre suas técnicas correspondem ao projeto inicial do trabalho. Nos dias de hoje, escutamos as pessoas muito discutirem sobre como teremos um "mundo melhor”, porém fica “meio esquecido” o respeito profundo a cada ser humano onde cada um de nós possa ser um artista valorizado pelo seu jeito único. Onde o artista possa ser compreendido, mas nem sempre sua ideia será aceita como a mais bela obra artística dos últimos tempos. Mas, mesmo assim, a arte da sinceridade permanece entre nós.